Tanguy de Lamotte

 

 

Antes de ser skipper, Tanguy é primeiro que tudo arquiteto e construtor naval, três facetas que assume declaradamente. A vela?Ficou-lhe no sangue desde pequeno, durante as férias nas costas da Bretanha. Aos 15 anos, participa na regata Trophée des Lycées e em 1997, de bacharelato na mão, ruma a Southampton, em Inglaterra, para prosseguir os seus estudos de arquitetura naval. Trava aí conhecimento com várias pessoas que serão determinantes para a sua futura carreira. Ellen Mac Arthur, Brian Thompson, Nick Moloney… O seu ponto comum? A Mini Transat. Tanguy ajuda-os a preparar os seus barcos para essa corrida mítica, na esperança secreta de um dia poder desenhar e construir o seu próprio Mini 6.50 para atravessar o Atlântico em solitário.

Concretiza esse sonho em 2002, com o nascimento do seu barco, e em 2005, com a participação na Mini Transat, onde termina em 7.º lugar. O que o cativa é toda a componente técnica de um projeto, incluindo, evidentemente, o desenho da embarcação.

Entra então para o gabinete de arquitetura Simon Rogers para desenhar os planos do seu Classe 40, com o qual continua a navegar e a conseguir excelentes prestações, entre as quais figura o seu sucesso na primeira edição da regata La Solidaire duChocolat em 2009.

Participa na corrida Route du Rhum em 2010 (14.º lugar) e assina novas vitórias em 2011 (Rolex Fastnet Race e Normandy Channel Race com SébastienAudigane).

Em 2012, graças à sua parceria com a fundação Initiative-coeur e a associação Mécénat Chirurgie Cardiaque, que apoia há muito e permite que crianças doentes sejam operadas em França, irá lançar-se à última embarcação de Catherine Chabot para participar na mais mítica das corridas solitárias: a Vendée Globe, também conhecida como “Everest dos Mares", ou seja, uma volta ao mundo em solitário sem escala e sem assistência.

Além da oportunidade para colaborar com um marinheiro de exceção, acompanhar Tanguy nessa aventura humana deixou naturalmente as equipas da Tribord muito entusiasmadas. A marca do País Basco equipará na íntegra Tanguy para a sua volta ao mundo, nomeadamente com o novo vestuário para alto mar, que ele vai pôr à prova para lá dos limites nas condições de mar mais difíceis durante 3 meses de navegação sem escalas, para partilhar em seguida as suas experiências com as equipas de conceção da marca após o regresso a terra a fim de contribuir para o aperfeiçoamento de toda a nossa gama de produtos.

 

HAUT DE PAGE